Rotas Turísticas iniciam ‘oficinas de memória’

Publicada em 17/08/2015 às 18:12

A oficina prática apontou que objetos antigos podem valorizar a história de atrativos locais

A oficina prática apontou que objetos antigos podem valorizar a história de atrativos locais

Quase 30 empreendedores ligados à Rota da Uva e à Rota da Terra Nova, as primeiras em implementação, participaram da primeira edição das Oficinas Culturais de Estruturação das Rotas Turísticas de Jundiaí. Em um trabalho integrado entre as Secretarias de Agricultura, Abastecimento e Turismo e de Cultura, o tema abordado no auditório do Solar do Barão foi a vivência de história e memória usando objetos do acervo que já foram de uso cotidiano.

“É a primeira vez que desenvolvemos um trabalho de maneira tão integrada entre as secretarias”, afirmou o diretor do Museu Histórico e Cultural de Jundiaí, Edgar Borges Júnior.

LEIA TAMBÉM
Sexta no Centro atrai mais de duas mil pessoas
‘Circuito Cultural’ propõe mapeamento de pontos criativos
Jundiaí analisa custo da infraestrutura de imóveis desocupados

O método, que contou com a presença da equipe técnica do museu, usou objetos antigos para mostrar como atribuir valor para as chamadas coisas antigas, como um rádio de válvulas, uma máquina fotográfica de fole, uma máquina de escrever clássica, uma leiteira de ferro ou uma plaina de madeira.

Em um dos casos, um objeto metálico era estranho para diversos participantes e foi o grupo formado por Verônica e Marcela Pavan, da Rota da Terra Nova, e Solange Beatriz (Vendinha), da Rota da Uva, que explicou ser um debulhadeira de milho ainda presente na casa de muitos “nonos”. A reflexão sobre o processo que leva ao fubá e depois à polenta mostrou como a história social acarreta as demandas de produtos e guarda casos. Se Verônica citou a familiaridade com o objeto, foi Solange que pontuou o risco de se perderem histórias dos antepassados por falta de informação.

A debulhadeira foi um dos alvos de trabalho em grupo: do milho à polenta

A debulhadeira foi um dos alvos de trabalho em grupo: do milho à polenta

“Não estamos restringindo o acesso às oficinas. Esse projeto, que tem o apoio do prefeito Pedro Bigardi e dos secretários Marcos Brunholi e Tércio Marinho, vai envolver diversos setores”, afirmou a diretora de Turismo, Marcela Moro. Outras duas oficinas serão nas próximas segundas-feiras (24) e (31) a partir das 15h, também no Solar.

A ideia é que os princípios sobre história e memória sejam usados pelos empreendimentos e comunidades das rotas turísticas (outras ainda em fase de estudo devem surgir futuramente no Traviú, no Centro Histórico e na Serra do Japi), mas também por qualquer atrativo de turismo da cidade. A meta é qualificar diferenciais que potencializem a importância desses aspectos para visitantes e comunidade.

Os moradores e simpatizantes interessados no projeto podem entrar em contato com a Diretoria de Turismo, na Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Turismo pelo telefone (11) 4589-8580, na ala norte do 5º andar do Paço Municipal, ou pelo portal Turismo Jundiaí.

José Arnaldo de Oliveira
Fotos: Fotógrafos PMJ


Link original: https://jundiai.sp.gov.br/noticias/2015/08/17/rotas-turisticas-iniciam-oficinas-de-memoria/