Oficina lúdica aproxima Jardim Novo Horizonte e Ponte Torta

Publicada em 26/01/2015 às 13:58

Um método de ensino e diversão que manteve a atenção de 30 crianças durante quase duas horas mostrou mais do que uma janela para o reforço da educação patrimonial em Jundiaí. Realizada durante a oficina lúdica do projeto Ações de Conservação e Zeladoria da Ponte Torta, sábado (24), a ação da Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente reuniu participantes com idades entre 7 e 12 anos, no Jardim Novo Horizonte.

CONFIRA AS AÇÕES DO PROJETO PONTE TORTA

Se o antigo monumento de 1888 parecia distante do vetor Oeste, bastaram alguns depoimentos para mostrar que o bairro – surgido sobre o antigo leito do ramal da estrada de ferro Sorocabana, na década de 1970 – também tinha relação com essa história. “É surpreendente que possamos vislumbrar essa redescoberta de nossa história urbana e nosso presente dessa maneira”, afirmou a secretária Daniela da Camara Sutti, do Planejamento e Meio Ambiente.

LEIA TAMBÉM
Para arqueóloga, Jundiaí pode ocultar milhares de anos
Ponte Torta: patrimônio é assunto social, diz especialista

Crianças "aprendem" técnica milenar da construção

Crianças “aprendem” técnica milenar da construção

A ligação entre o bairro surgido a partir de uma ocupação e o monumento foi feita pelo líder comunitário José Bessa, que reforçou a questão de que o patrimônio é uma causa de toda a sociedade. “A história da ferrovia tem tudo a ver com o bairro, que era uma área agrícola ocupada por japoneses e teve nos arrendatários os primeiros ocupantes do leito desativado. Hoje está sendo urbanizado, mas a comunidade precisa ter consciência da origem”.

Com o apoio de integrantes de coletivo Vetor Oeste, a atividade lúdica envolveu tijolos cenográficos. Convidados para montar uma parede, as crianças e adolescentes iniciaram como uma espécie de Lego geométrico antes de serem apresentados ao conceito de “amarração” de tijolos (alternando as fissuras a cada fieira). Desafiados a criar um vão no meio, o esforço foi derrubado.

Entrou em cena, então, uma espécie de andaime cenográfico onde blocos maiores foram encaixados em curva e depois reforçados por tijolos até um terço da estrutura. O resultado foi permitir a retirada do andaime com a estrutura mantida criando um vão – para o rio, uma passagem ou para uma construção mais alta.

“É uma técnica muito antiga. Se vocês olharem em volta, devem perceber vestígios de antigas olarias e cerâmicas. Nossa intenção é espalhar uma certa inquietação com a questão do patrimônio e não apenas desse monumento”, comentou Toninho Sarasá, coordenador do projeto. Os participantes foram convidados também a fazer desenhos da Ponte Torta, que muitos não conheciam.

O trabalho é estudado para resultar em um produto educativo oferecido para uso em escolas públicas e privadas. Nos aspectos como o meio tijolo (atravessado), tijolo inteiro (de lado) ou tijolo e meio (ambos), a técnica permite um aumento de diálogo entre pais ou avôs trabalhadores e seus filhos. “Gostei muito de ver isso”, afirmou o pai Claudemir da Silva.

Leonardo Ferreira mostra desenho da ponte

Leonardo Ferreira mostra desenho da ponte

Uva
A oficina, elaborada pela equipe do Estúdio Sarasá para o projeto, também estará na 32ª Festa da Uva E 3ª Expo Vinhos de Jundiaí no sábado (31 de janeiro) e domingo (1º de fevereiro). Antes, uma nova palestra técnica na tarde de sexta-feira (30) será feita no auditório da Biblioteca Municipal.

José Arnaldo de Oliveira
Fotos: Fotógrafos PJ


Link original: https://jundiai.sp.gov.br/noticias/2015/01/26/oficina-ludica-aproxima-jardim-novo-horizonte-e-ponte-torta/