Especialista defende mobilização do novo Plano Diretor Participativo

Publicada em 04/05/2016 às 10:51

Atualmente, muitas cidades são vistas apenas como uma mercadoria e os seus setores mais estruturados utilizam todas estruturas do chamado “capitalismo selvagem” apenas para ganharem dinheiro com o parcelamento do solo em uma urbanização desorganizada. Mas a população de Jundiaí tem a oportunidade de avançar em sua qualidade de vida ao renovar o planejamento territorial com o Plano Diretor Participativo.

A opinião é de Afonso Peche Filho, um dos maiores especialistas brasileiros em conservação ambiental e de solos. O pesquisador afirma que a maioria das cidades virou uma arena especializada em discussões que lidam com a luta de classes em uma espécie de “disputa de hipócritas contra injustiçados”.

LEIA TAMBÉM
Prefeitura prepara reabertura do ‘novo’ Escadão
Moradores aprovam reforma de praça no Vianelo
Guarda responsável de animais reúne Educação e Planejamento
Cadastro Ambiental Rural (CAR) encerra prazo nesta quinta-feira (5)

Para o pesquisador, os moradores devem buscar o equilíbrio das cidades

Para o pesquisador, os moradores devem buscar o equilíbrio das cidades

“O desafio dessa atual cidade-mercadoria exige que entendamos que os diversos atores buscam seu filão. O solo de seu território é o produto mais cobiçado, tanto pelos setores da elite organizada quanto pelos trabalhadores, e o processo de diálogo é o ponto central”, analisa.

Para ele, a condição de vida urbana precisa ser mais valorizada nessa disputa por espaços. “A luta dos trabalhadores, por exemplo, não pode se resumir a empregos, melhores salários e moradias. Precisa incluir também o direito de se ter uma cidade decente. Deve ser por uma condição de vida urbana mais humana, igualitária e menos segregante”, acrescenta.

Ele considera também que uma das grandes funções exercidas pelo Plano Diretor Participativo foi a redução do chamado “analfabetismo urbanístico”. Dessa maneira, o urbanismo elitizante, pensado exclusivamente dentro de escritórios de arquitetura ou engenharia, precisa ser combatido por um novo modo de diálogo com quem vive a cidade, como ocorreu com moradores, empresários, profissionais, agricultores, ambientalistas e técnicos.

“A tentativa de exclusão efetiva dos trabalhadores e moradores deste processo é sempre real e, se for concretizada, condena a cidade a ter um planejamento urbano que prioriza somente setores econômicos em detrimento do social”, destaca.

Uma das coisas importantes a serem consideradas, lembra Afonso, é a diferença entre crescimento e desenvolvimento.

O crescimento está relacionado com medidas quantitativas como a intensidade de aumento ou decréscimo (expansão da área urbana, aumento da economia, dos negócios, da renda, do capital e assim por diante).

O desenvolvimento, por sua vez, está ligado a medidas qualitativas como a intensidade de transformações das condições urbanas (qualidade de vida, do bem-estar, da segurança, da felicidade e assim por diante).

O Plano Diretor, que teve mais de 11 mil participações no processo conduzido por mais de dois anos pela Prefeitura e que aguarda agora a tramitação do projeto de lei na Câmara Municipal, tem por objetivo promover o desenvolvimento da cidade. “Assim sendo, não despreza o crescimento mas foca no aprimoramento da cidade com um futuro coletivo melhor que o presente individualista e segmentado que estamos vivendo”, acrescenta.

Nessa análise, ele conclui que no estágio atual da sociedade jundiaiense, é preciso “mais do que nunca ter humildade, unir forças e organizar-se para lutar pela construção de uma cidade menos infeliz, menos desigual e com menor capacidade de promover o caos ambiental”.

Além de pesquisador científico ao Instituto Agronômico, Afonso Peche Filho tem mestrado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e é um palestrante ativo em todo o país.

José Arnaldo de Oliveira
Foto: Cléber de Almeida


Link original: https://jundiai.sp.gov.br/noticias/2016/05/04/especialista-defende-mobilizacao-do-novo-plano-diretor-participativo/