Capivaras são monitoradas no Parque Botânico Eloy Chaves

Publicada em 21/09/2016 às 16:14

A administração do Parque Botânico Eloy Chaves informa que está tomando as medidas necessárias em relação ao aparecimento de capivaras no lago. Os animais estão sendo monitorados e a Unidade de Vigilância de Zoonoses faz a vigilância permanente dos possíveis agravos que a presença desses animais possa promover. Além disso, as cercas ao redor do lago foram reforçadas para evitar o contato dos frequentadores com os animais.

As pessoas não precisam deixar de frequentar o parque. Estamos seguindo as orientações da Zoonoses em relação às capivaras e adotando medidas como o reforço das cercas para limitar a circulação dos animais à área do lago”, informa o administrador do parque, Anderson Adailton Grana.

LEIA TAMBÉM
Ainda é possível vacinar cães e gatos contra a raiva
Zooeduca tem exposição no Novo Horizonte na quinta (22) e sexta (23)

Administração do parque informa que cumpre orientações da Zoonoses em relação às capivaras

Administração do parque informa que cumpre orientações da Zoonoses em relação às capivaras

Como são dependentes de coleções hídricas, as capivaras refugiam-se em locais que possuem água. Em Jundiaí, são constantes as ocorrências ao longo do rio Jundiaí, Jundiaí-Mirim, Córrego das Valkírias, Córrego do Matão e nos bairros por onde passam esses cursos d’água. Por isso, esses animais são vistos frequentemente em parques, praças e até mesmo em vias públicas.

Febre maculosa

As capivaras são comumente associadas à uma zoonose conhecida como febre maculosa, que é transmitida pelo carrapato estrela. Contudo, a Unidade de Vigilância em Zoonoses esclarece que esses animais não são reservatórios da bactéria causadora da doença, mas apenas amplificadores.

As capivaras podem transmitir a bactéria para os carrapatos por um período de apenas três semanas e depois tornam-se resistentes. Dessa forma, animais adultos não contaminam os carrapatos. Além disso, estudos indicam que 99% dos carrapatos não estão contaminados e, por isso, a ocorrência de surtos epidêmicos é improvável.

O sacrifício de animais ou o deslocamento para outras regiões não são medidas eficazes para diminuir a infestação por carrapatos e impedir a ocorrência da febre maculosa.

Medidas preventivas
A Unidade de Controle de Zoonoses orienta: evite andar em áreas em que sabidamente haja carrapatos. Se houver necessidade de frequentar essas áreas, utilize roupas compridas e de cor clara para facilitar a visualização dos carrapatos e faça uma inspeção no seu corpo a cada duas horas para retirá-los.

Nunca utilize produtos como álcool e vinagre, além de cigarro e fósforo para fazer essa retirada pois estimulam os carrapatos a regurgitarem o conteúdo digestório e se estiverem com a bactéria podem contaminá-lo.

No ambiente doméstico: manter a grama sempre bem aparada e com incidência de raios solares (os raios matam as fases de larva e ninfa dos carrapatos); fazer o controle de carrapatos nos animais domésticos, principalmente cães e cavalos; não utilizar veneno de forma desnecessária e sem indicação técnica.

Assessoria de Imprensa
Foto: Arquivo PMJ


Link original: https://jundiai.sp.gov.br/noticias/2016/09/21/capivaras-sao-monitoradas-no-parque-botanico-eloy-chaves/