“Sepulturas que contam histórias” levam 600 crianças ao Desterro

Publicada em 27/11/2018 às 17:39

Nas últimas cinco semanas, cerca de 600 crianças de quatro escolas municipais de Jundiaí visitaram o Cemitério Nossa Senhora do Desterro para conhecer o projeto “Sepulturas que contam histórias”, lançado pela Fundação Municipal de Ação Social (Fumas) em agosto com o objetivo de preservar a memória de personalidades de destaque na cidade e que estão sepultadas na necrópole mais antiga da região. Alunos do 2º a 5º ano das escolas Rotary Club (Anhangabaú), Adelino Brandão (Morada das Vinhas), Lázaro Miranda Duarte (Vila Jundiainópolis) e Marina de Almeida Rinaldi Carvalho (Jd. Tulipas) visitaram as sepulturas de personalidades como o Conde do Parnaíba, o Barão de Jundiaí, o engenheiro Leonardo Cavalcanti, Dr. Domingos Anastásio, entre outros.

LEIA TAMBÉM
Prefeito e primeira-dama participam do encerramento do Mc Tour 2018
Biblioteca: renovação de livros está liberada no app da Prefeitura

Pelas ruas do Desterro, cemitério que neste ano completou 150 anos de existência, as crianças de quatro Emebs aprenderam sobre personalidades de destaque para a história do município

A oportunidade para conhecer o projeto surgiu a partir de uma atividade proposta pelo programa educacional Amigos do Zippy, desenvolvido pela Unidade de Gestão de Educação (UGE) e que trabalha em sala de aula as questões ligadas à saúde mental e bem-estar emocional das crianças, com a finalidade de que elas possam desenvolver habilidades para lidar com as situações cotidianas. “Um dos sentimentos trabalhados pelo Amigos do Zippy é o luto, a perda de um ente querido. A visita ao cemitério fora do momento de dor é uma proposta para que os alunos vejam que o cemitério é, apenas, um lugar de respeito e saudade, onde as pessoas queridas descansam”, destacou a professora Ana Carolina do Prado, vice-diretora da Emeb Rotary Club.

Guiadas pelo diretor do Serviço Funerário Municipal, Silvio Ermani, cada visita durou cerca de uma hora. As crianças conheceram a antiga rua principal do cemitério, com o portão de entrada pela Rua Campos Sales, e também descobriram que a portaria atual foi construída somente nos anos 40, durante a gestão do prefeito Manoel Annibal Marcondes, assassinado durante o seu mandato. “Pudemos unir nestes passeios um pouco da história de Jundiaí e questões difíceis de serem trabalhadas, como o luto. Gosto de destacar que esta é uma oportunidade para que as crianças vejam que a morte faz parte da vida e que temos de nos preocupar em dar valor à nossa família, em tratar bem a quem amamos e agir sempre corretamente em todas as nossas atitudes”, ressaltou.

Para os alunos de duas escolas, o roteiro também foi acrescido pela visita ao jazigo dos professores que batizam as Emebs. “Os alunos gostaram muito dessa experiência e ficaram surpresos por encontrar o jazigo da patrona da escola, a professora Marina de Almeida Rinaldi Carvalho. Muitos se emocionaram porque não pensavam que ela já tivesse falecido”, contou a professora Iara Turquetto e Silva, coordenadora da Emeb Marina de Almeida Rinaldi Carvalho. Já para a turma da Emeb Lázaro Miranda Duarte, o estudo sobre a vida do patrono começou já na sala de aula. “As professoras encontraram o histórico do professor Lázaro no site da Fumas e trabalharam com os alunos previamente, tornando a visita mais interessante e os alunos mais entusiasmados em realizá-la”, acrescentou a coordenadora pedagógica Margarete Dresseneti de Campos.

Assessoria de Imprensa – Fumas
Fotos: Divulgação


Link original: https://jundiai.sp.gov.br/noticias/2018/11/27/sepulturas-que-contam-historias-levam-600-criancas-ao-desterro/